O diretor-presidente da Epah durante uma das conferências no Japão.

Araújo, diretor-presidente da Epah, durante conferência no Japão.

O diretor-presidente da Associação Espaço de Prevenção e Atenção Humanizada, José Araújo Lima Filho, esteve mais uma vez no país asiático onde realizou palestras e conferências itinerantes em diferentes cidades nipônicas que buscaram sensibilizar a sociedade japonesa sobre prevenção e atendimento em HIV/Aids. As atividades do Projeto Brasil-Japão aconteceram entre os dias 24 de novembro e 13 de dezembro de 2013 e contaram com a parceria de mais de 20 anos com a ONG japonesa Criativos.

“No Japão tem se percebido um aumento no número de casos de pessoas com HIV/Aids e isso se deve, principalmente, à falta de políticas efetivas para conter esse avanço. Então, a ideia dessas ações é fomentar o debate sobre a necessidade de políticas públicas para o enfrentamento da doença no país, uma vez que lá ainda há muito preconceito contra pessoas que vivem com HIV/Aids”, explicou Shimogo Satomi, coordenadora do projeto no Japão.

Além de trabalhar com a sociedade japonesa, a parceria buscou também alcançar os brasileiros que vivem no Japão. Atualmente são mais de 200 mil brasileiros vivendo no país asiático e muitas dessas pessoas têm dificuldades em acessar as informações corretas e em buscar atendimentos médicos por conta da dificuldade com a língua. Por ser um país de tradições conservadoras, há ainda a falta de oportunidades para os adolescentes receberem educação específica sobre sexualidade e prevenção de doenças sexualmente transmissíveis.

Mais de 730 pessoas participarem das atividades, num público composto por estudantes do ensino médio, universitários, acadêmicos e membros de organizações que atuam em saúde e imigração.

Ao todo foram 16 atividades realizadas, entre palestras, conferências e mesas de diálogo em 11 cidades: Tóquio e Kodaira na província de Tóquio; Hiratsuka e Yokohama na província de Kanagawa; Urasoe, Naha e Ishigaki na província de Oknawa; Shizuoka na província de Shizuoka, Kobe na província de Hyogo; Osaka na província de Osaka e Ota na província de Gunma.

As ações contaram com a parceria de universidades, locais onde foi apresentada também a política de prevenção e atendimento em HIV/Aids posta em prática no Brasil. “Em 18 anos de ação no país, houve cooperação em três momentos do governo brasileiro, e a cooperação desse ano foi fundamental para o sucesso das ações. Esperamos que a parceria continue fortalecendo a comunidade brasileira residente no naquele país e da própria comunidade japonesa”, informou Araújo.