Atualmente a Associação Epah atua por meio do ativismo político, em especial no entorno da sede e na macrorregião onde ela está localizada, Zona Sul de São Paulo. Busca garantir, por meio da ação política, o acesso imediato ao tratamento junto aos serviços públicos de atendimento aos soropositivos e pessoas vivendo com aids, bem como, desenvolve atividades de prevenção e conscientização voltadas aos adolescentes da região.

Desenvolve em parceria e conveniamento com órgãos públicos ações específicas em relação à prevenção e ao tratamento do HIV/Aids, sempre buscando apresentar um olhar diferenciado em relação à epidemia, que leve em conta também a questão social, uma vez que são os grupos mais vulneráveis os que ficam mais expostos à epidemia.

Além disso, essa interlocução direta com as áreas sociais buscam desconstruir os preconceitos e discriminações diversos que se impõem a essa população. Os direitos dos homossexuais, profissionais do sexo e portadores do HIV/aids ainda sofrem resistência para serem implantados e a busca pela garantia desses direitos faz-se, portanto, de modo constante.

Ainda que tenha origem na luta contra aids, para a EPAH essa não é uma luta isolada e deve estar interligada à defesa da saúde pública universalizada e de qualidade. A Constituição de 1988 possibilitou a criação de um sistema universal e público, porém muito ainda precisa ser feito para que este sistema seja consolidado enquanto direito de todos e todas. Sendo assim, em suas ações políticas, a luta pelo fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS) continua sendo uma prioridade